Ultimas

AO VIVO

quinta-feira, 21 de março de 2019

Jovem com Down conquista espaço no mercado e ajuda nas contas de casa: 'meu sonho', diz






Todos os dias, Tandara Jesus de Carvalho, de 24 anos, acorda antes das 9h para trabalhar no Centro de São Carlos (SP). Assim como todos os trabalhadores, a assistente em uma farmácia, procura cumprir seus horários e compromissos para ganhar o salário no final do mês. O que a diferencia dos outros atendentes? Nada, além do diagnóstico de síndrome de Down.
Nesta quinta-feira (21) é comemorado o Dia Internacional da Síndrome de Down. A data foi marcada para que as pessoas possam debater sobre o tema e, principalmente, pensar sobre inclusão dos seus portadores nas atividades do cotidiano.

Carteira assinada

Tandara ajuda em várias tarefas na farmácia em São Carlos — Foto: Gabrielle Chagas/G1 Tandara ajuda em várias tarefas na farmácia em São Carlos — Foto: Gabrielle Chagas/G1
Tandara ajuda em várias tarefas na farmácia em São Carlos — Foto: Gabrielle Chagas/G1
A carteira de trabalho foi assinada em junho de 2017. Tandy, como é chamada pelos colegas de trabalho, costuma usar o salário para ajudar em casa, comprar maquiagens e fazer passeios em família.
Ela é a única com carteira assinada em casa. A mãe Maria Leila Jesus de Carvalho está em busca de um emprego e o pai faz bicos para cobrir as despesas. Tandy garante que trabalhar era uma coisa que sempre quis, além de estudar.
“Aqui eu ajudo no caixa, coloco as coisas na sacola. Se chegar perfumaria eu guardo, separo os remédios, atendo telefone. Às vezes eu peço uma ajuda. Gosto mais de ficar no balcão”, contou.

Trabalhar era um sonho

No início a mãe de Tandara não queria que ela trabalhasse, hoje ela vê como algo positivo que contribuiu para o seu desenvolvimento.  — Foto: Arquivo pessoal No início a mãe de Tandara não queria que ela trabalhasse, hoje ela vê como algo positivo que contribuiu para o seu desenvolvimento.  — Foto: Arquivo pessoal
No início a mãe de Tandara não queria que ela trabalhasse, hoje ela vê como algo positivo que contribuiu para o seu desenvolvimento. — Foto: Arquivo pessoal
No início, a mãe, Maria Leila, não queria que jovem fosse trabalhar. Agora, depois de mais de um ano que Tandy está trabalhando, ela reconheceu a sua felicidade e percebeu a mudança que o emprego causou na vida da filha, principalmente na conversa, no jeito de se comportar e nas atitudes.
“Eu não queria, mas como era o desejo dela, e foi assim com todos os irmãos, eu apoiei. Eu levei ela para participar do programa orando para ela não querer ficar, mas na hora ela disse: 'trabalhar é o meu sonho'. Aí eu cedi e tive que aceitar. Ela ama o emprego e desenvolveu muito lá, é uma moça”, disse.

Desenvolvimento notável

Tandara é querida pelos colegas de trabalho em farmácia de São Carlos — Foto: Gabrielle Chagas/G1 Tandara é querida pelos colegas de trabalho em farmácia de São Carlos — Foto: Gabrielle Chagas/G1
Tandara é querida pelos colegas de trabalho em farmácia de São Carlos — Foto: Gabrielle Chagas/G1
Na farmácia, ela é querida pelos colegas e clientes. De acordo com a farmacêutica Tiffani Azarias, que acompanhou toda a trajetória de Tandy, o seu desenvolvimento é notável.
"Quando começou, ela tinha dificuldade em se comunicar com os clientes e fazer tarefas sozinha, mas hoje ela atende o telefone e repassa recados", disse.
Segundo a colega, aconteceram dois casos de preconceito por parte de clientes da farmácia, que foram contornados pelos funcionários que estavam por perto. Contudo, a maioria das pessoas que passa pelo estabelecimento tem carinho pela jovem.

Estímulo positivo

Para Marena Ferrari Tavoni, educadora especial da Associação de Capacitação, Orientação e Desenvolvimento do Excepcional (Acorde) de São Carlos, o trabalho é um estímulo positivo para o desenvolvimento da pessoa com síndrome de Down.
Além de desenvolver a organização, a autonomia e despertar o interesse de quem trabalha, a presença deles em um ambiente profissional causa uma resposta positiva na sociedade.
“Você percebe que além de fazer bem para eles, todos que estão trabalhando junto param para ajudar quando eles precisam. Isso estimula as pessoas a pensarem sobre inclusão”, disse.

Entre o trabalho e o benefício

Tita trabalhou na Câmara Municipal de São Carlos.  — Foto: Gabrielle Chagas/G1 Tita trabalhou na Câmara Municipal de São Carlos.  — Foto: Gabrielle Chagas/G1
Tita trabalhou na Câmara Municipal de São Carlos. — Foto: Gabrielle Chagas/G1
Muitos portadores de síndrome de Down que poderiam estar no mercado de trabalho acabam não exercendo esse direito porque ao adquirir vínculo empregatício têm o benefício do INSS suspenso.
Foi o caso de duas da Acorde. Uma delas é Ana Caiari Ferreira Domingues, a Tita, de 28 anos, que trabalhou na Câmara de São Carlos por um ano. Como auxiliar do presidente da Casa separava notas fiscais, fazia contas e organizava documentos.
Na avaliação da educadora, por causa do emprego, Tita ficou mais responsável e criou vínculos sociais.
Carolina foi garçonete em um restaurante e hoje cuida da sua casa.  — Foto: Gabrielle Chagas/G1 Carolina foi garçonete em um restaurante e hoje cuida da sua casa.  — Foto: Gabrielle Chagas/G1
Carolina foi garçonete em um restaurante e hoje cuida da sua casa. — Foto: Gabrielle Chagas/G1
Carolina Fernanda Peixe, de 39 anos, foi garçonete em um restaurante onde servia almoço. Também lavava louça e as organizava na cozinha. Com o salário, Carol comprava CDs e investia na sua paixão pela música.
“Hoje eu fico à tarde sozinha na minha casa, porque minha irmã e meu sobrinho trabalham. Eu faço tudo, lavo, cozinho, limpo a casa, tomo banho, tudo sozinha”, contou.
Para a educadora da Acorde, o conflito entre o salário e o benefício é negativo.
“A família pode precisar da ajuda [financeira], mas também é muito importante que eles exerçam alguma atividade para o desenvolvimento pessoal e profissional”, disse.

Postar um comentário

 
Copyright © 2013 Acontece em Foco
Traduzido Por: Template Para Blogspot - Design by FBTemplates